Dr. Antonio Sproesser

Navegação: Notícias Como lidar com artrite e artrose

Como lidar com artrite e artrose

Diferença entre artrite e artrose

Basicamente, artrite é uma inflamação das articulações, enquanto a artrose é uma degeneração destas juntas.

 Há vários tipos de artrite, mas a mais comum é a artrite reumatoide: é uma doença inflamatória crônica grave, debilitante, com localização variada mais comumente nas articulações.

• A diferença entre osteoartrite, nome correto da artrose, e artrite reumatóide é que a primeira acomete pessoas de idade mais avançada enquanto a segunda pode ocorrer em todas as idades e sua incidência é maior no sexo feminino.
• A Artrite Reumatóide (AR) atinge 1% da população mundial, tendo sua origem ainda desconhecida e se não tratada corretamente pode desencadear deformidades agressivas. No Brasil, 1,8 milhões de pessoas têm AR, segundo dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR).
• A sua incidência é maior entre mulheres entre 50 e 70 anos, tendo uma relação de prevalência de 2 a 3 mulheres para 1 homem
• Afeta a maioria da população depois dos 60 anos e pode ter graus variados de intensidade e de comprometimento das articulações. A doença é mais comum nas mulheres.
• A artrose é o endurecimento natural das articulações. Trata-se de uma doença reumática degenerativa, que chega a acometer 30% da população adulta acima dos 50 anos.

 

ARTRITE

O que é artrite?

Artrite é a inflamação das juntas. Embora a inflamação seja um sintoma de algum mal e não uma doença em si, o termo é utilizado para descrever qualquer distúrbio que afeta as juntas. Ela faz parte do rol de doenças reumáticas – é o grupo de doenças caracterizadas por inflamação e perda de função de uma ou mais estruturas do corpo. Elas afetam especialmente juntas, tendões, ligamentos, ossos e músculos. Os sintomas mais comuns são dor, enrijecimento e inchaço. Há mais de 100 doenças reumáticas.
O cansaço é um dos sinais de uma doença reumática. Ao sentir-se fatigado e com dor, é preciso saber a hora de descansar. Mas descanso em excesso pode enfraquecer os músculos e o efeito é sentido nas juntas.
Pessoas com uma doença reumática podem fazer uma série de esportes e exercícios físicos. Eles reduzem a rigidez, aumentam a flexibilidade das juntas, a força muscular e a resistência. O exercício ainda leva a perda de peso, o que reduz o risco de problemas nas articulações
Os especialistas costumam recomendar exercícios de alongamento e atividades com peso para manter a força muscular. Músculos mais fortes ajudam a dar suporte e a proteger as juntas afetadas pela artrite. Eles também recomendam atividades aeróbicas e de resistência, que controlam o peso e aumentam a força, além de melhorar o bem estar geral.

O que causa doenças reumáticas?

Em geral, acredita-se que elas sejam causadas pela combinação de genética e estilo de vida.

Sintomas de artrite

•Inchaço em uma ou mais juntas
•Rigidez na junta que dura no mínimo uma hora pela manhã
•Dor constante e recorrente
•Dificuldade para se mover
•Vermelhidão e calor no local da inflamação

Artrite reumatóide: a artrite reumatoide é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune que acomete principalmente articulações, causando dores, deformidades progressivas e incapacidade funcional. As mulheres são duas vezes mais afetadas do que os homens pela artrite reumatoide e sua incidência aumenta com a idade e a forma mais frequente de início da doença é artrite simétrica (por exemplo: os dois punhos, os dedos das duas mãos) e aditiva (as primeiras articulações comprometidas permanecem e outras vão se somando). Costuma ser de instalação lenta e pouco agressiva, localizando-se inicialmente nas pequenas articulações das mãos. O diagnóstico precoce, o desenvolvimento de novos medicamentos imunobiológicos, a ginástica, terapia ocupacional e fisioterapia são algumas das novas armas encontradas pela medicina para controlar a artrite reumatoide

Tratamento da artrite reumatoide:

Os tratamentos de primeira escolha indicados para os sintomas leves da artrite reumatoide são os
antiinflamatórios não-esteroidais e o paracetamol
(sobretudo para tratar a dor, pois não é eficaz contra a inflamação).
Há também os corticóides, orais ou injetáveis.
Os medicamentos imunobiológicos inauguraram uma nova era no tratamento da artrite reumatóide.
As medicações imunobiológicas são um avanço no tratamento da doença, já que atuam em etapas
específicas da patogênese da doença (inibem o anti-TNF, o linfócito B, a célula T ou a interleucina 6)
e tem mostrado, em estudos clínicos, que podem levar a melhora clínica e, na maioria dos casos,
a diminuição da progressão da doença. Infelizmente esses medicamentos são em geral muito caros.

Outra opção são as drogas modificadoras da doença, as DMCDs ou em inglês DMARDs
("disease-modifying anti-rheumatoid drugs"), que são assim chamadas porque suprimem
a atividade inflamatória e bloqueiam a evolução natural da doença.
Devem ser usadas logo que o diagnóstico for confirmado.
Os médicos costumam optar pela associação de pelo menos duas drogas remissivas
desde o início do tratamento. Esses medicamentos, como o metrotexato, por exemplo, podem
apresentar efeitos secundários sérios, portanto, exames regulares permitirão limitar ao máximo os riscos.

ARTROSE
 
Osteoartrite ou artrose é o desgaste das cartilagens das articulações e pelas estruturas ao redor (osso, cápsulas e ligamentos) e pelas alterações ósseas que ocorrem nessas regiões.
Essa doença é a mais freqüente entre os reumatismos: é causa de 40% dos atendimentos dessa área.
 
Está entre as principais causas de afastamento de trabalho no Brasil: a artrose é responsável por 7,5% de todos os afastamentos do país e a quarta causa que determina a aposentadoria no Brasil, responsável por 6,2% das aposentadorias do Brasil.
 
O aparecimento de artrose aumenta com a idade. Após os 75 anos de idade, 85% das pessoas têm o problema, mas somente 50% se queixa de dor ou de outros sintomas.
 
Nas mulheres, atinge mais as mãos e os joelhos; nos homens, a articulação do fêmur com a bacia.  Mas pode ocorrer em qualquer articulação.
 
Causas

Sedentarismo
Má postura
Uso constante de sapatos com salto alto e de bicos muito finos
Carregar muito peso constantemente
Trabalhos com movimentos repetitivos
Desvios de coluna
Desalinhamentos articulares (problemas no joelho e nas pernas, por exemplo)
Fraturas mal tratadas que causaram angulações erradas nas articulações
Exercícios físicos muito intensos ou malfeitos
Obesidade (cauãs sobrecarga principalmente nos joelhos)
 
COMO OCORRE
 
O desgaste da cartilagem que vai causar a artrose ocorre por dois mecanismos:

- por sobrecarga da articulação – um excesso de repetições ou carga pesada aplicada constantemente
- por deficiências das articulações – perna torta, desvios de coluna, desalinhamentos de joelho, fraturas maltratadas que levam a uma angulação errada das articulações
 
1. Por algum desses motivos, a articulação começa a sofrer uma carga constante.
2. Ocorre o enfraquecimento da cartilagem articular, que começa a sofrer rachaduras chamadas de fibrilações e pequenas erosões superficiais.
3. Com o progredir do processo, a cartilagem sofre um desgaste e vai perdendo a espessura, desaparecer completamente, expondo o osso.
4. Os fragmentos da articulação e do osso que se desgarram são capturados pela membrana sinovial, provocando uma inflamação nesse local.
5. As demais estruturas da articulação (cápsula, ligamentos, tendões e músculos) também se enfraquecem, agravando ainda mais a osteoartrose.
6. A cartilagem tem a função de amortecer a pressão e o atrito entre os ossos. Quando a cartilagem está deteriorada, os ossos passam a se tocar e também se desgastam. Isso causa a dor.
7. À medida que o osso vai sendo destruído, o organismo aciona um mecanismo de reparação. No entanto, o novo osso que passa a ser formado é irregular e não tem as mesmas características do osso anterior. Esse osso deformado é chamado de osteófito. O mais conhecido deles é o bico de papagaio, que é a deformidade das vértebras da coluna e uma das principais causas de dores nas costas.
 
Sintomas

Dor na articulação, principalmente depois de movimentá-la. Após um longo período de repouso, a pessoa pode sentir um pouco de dor e rigidez ao começar a usar a articulação afetada.
 
Diagnóstico

Em geral, os sintomas de dor são a principal forma de diagnóstico. Exames de imagem (raio-X, tomografia e ressonância) ajudam a verificar o aspecto da articulação afetada e o nível de artrose.
 
Tratamentos

- Exercícios físicos são sempre indicados, pois estimulam as articulações a recompor as estruturas (cartilagens, ligamentos etc.).  É considerado o melhor tratamento para tratar lesões em regiões que são estimuladas pela atividade física (joelhos, quadris, ombros etc.).
Mas atenção: exercícios de alta intensidade (caso dos atletas) em excesso ou exercícios de “fim de semana” ou atividades feitas de maneira errada  levam a uma sobrecarga das articulações que podem propiciar a artrose. Uma lesão causada pelo esporte (torção no joelho, por exemplo), pode desestabilizar a articulação e levar a uma artrose no futuro.
 
- Proteção articular: consiste em deixar de lado as situações que causaram sobrecarga nas articulações e levaram à artrose. Por exemplo, um digitador com artrose nos dedos precisa reduzir o número de horas que passa digitando por dia.
 
- Fisioterapia: usada para aliviar as dores. Os meios físicos utilizados mais frequentemente são o calor e o frio, através do uso de chuveiro quente, banhos de imersão, compressas frias ou quentes, bolsas de gelo ou de água quente e almofadas elétricas, que inclusive podem ser aplicadas em casa. É possível ainda usar estímulos elétricos (TENS) e acupuntura para aliviar a dor.
 
- Remédios: Há vários remédios usados para tratar artrite e artrose. A escolha depende do tipo de doença e da individualidade do paciente. Esses remédios não promovem a cura, mas tratam os sintomas. A maioria das medicações alivia a dor e a inflamação. Em casos como o da artrite reumatoide, o remédio pode atrasar o curso da doença e prevenir danos às juntas. Há ainda medicamentos que estimulam a recomposição dos tecidos das articulações. Eles são tomados por via oral ou aplicados diretamente no local afetado. As substâncias devem ser usadas concomitantemente às atividades físicas

Analgésicos orais e de uso tópico: são usados para aliviar a dor.

Antiinflamatórios: usados contra a dor e a inflamação. Os antiinflamatórios não hormonais bloqueiam a substância chamada prostaglandina, responsável pela sensação de dor.

Corticóides: um exemplo dessa classe é a cortisona, que reduz a inflamação ao atuar no sistema imunológico. Podem ser tomados via oral, em cremes sobre a pele ou por injeção aplicada diretamente no local da dor e da inflamação. Os efeitos colaterais incluem inchaço, ganho de peso, aumento de apetite e altos e baixos emocionais

Cirurgias: indicadas quando os tratamentos acima não trazem boa recuperação. Elas podem ser feitas para retirar cartilagem e osso lesionado, para a colocação de próteses (articulações artificiais).

A primeira opção de tratamento para a artrose do joelho é sempre o tratamento conservador (não-cirúrgico). Entretanto, se este tratamento não é eficaz no alívio da dor e na melhora da função, uma cirurgia pode ser recomendada. Aproximadamente, um em cada quatro portadores de artrose do joelho será submetido a uma cirurgia. A escolha do tratamento deve ser decidida entre o paciente e o médico.

A proposta do tratamento cirúrgico para artrose do joelho é reduzir a dor, melhorar a função e melhorar os sintomas em geral. A satisfação do paciente é o principal objetivo no tratamento da artrose do joelho. As opções de cirurgias mais comuns são a artroscopia e a osteotomia

Artroscopia

Procedimento cirúrgico que utiliza pequenas incisões. Uma câmera permite que o cirurgião possa ver diretamente as superfícies ósseas e determinar o grau da artrose. Ele pode remover cartilagens danificadas e limpar a articulação. Apesar das pequenas incisões e pouca dor após a cirurgia, pode levar semanas para que a articulação se recupere completamente.

Osteotomia

É recomendada se a cartilagem danificada no joelho está afetada em apenas uma parte do joelho. É feito um corte no osso, para que o cirurgião possa reposicionar o alinhamento do joelho, evitando o apoio do peso corporal onde a cartilagem está afetada. Uma osteotomia pode restaurar a função articular e diminuir a dor da artrose.

((Há ainda a artoplastia – é a reconstrução articular por meio de uma prótese))

Uso de órteses: palmilhas, calçados especiais, joelheiras, bengalas, entre outros, são acessórios usados para corrigir o ângulo da articulação que está sofrendo artrose e brecar o desgaste

Compressas quentes e frias

Ambas podem ser usadas para reduzir a dor e a inflamação da artrite. O calor aumenta o fluxo sanguíneo, a tolerância a dor e a flexibilidade. Podem ser usadas ondas de calor e ultrassom, ou mesmo compressas caseiras com toalhas ou banho quente. Já as compressas frias “adormecem” os nervos ao redor da articulação, o que reduz a dor, e alivia a inflamação

Suplementos nutricionais

Glucosamina e condroitina se mostram efetivas, juntas ou separadamente, em estudos científicos.
Evite gordura animal e dê preferência a grãos e vegetais e peixes. Também evite farinha branca e açúcar refinado, que podem aumentar a inflamação.

Perguntas feitas pelos telespectadores:

Artrite

1) Minha mãe tem artrite e gostaria de saber se eu também corro o risco de desenvolver a doença. A artrite é hereditária?

Resposta: Podemos dizer que a atrite é 50% hereditária. A outra metade depende do seu estilo de vida. Fatores que aumentam a sua predisposição a ter a doença são o sedentarismo, a obesidade e os exercícios muito intensos ou mal feitos.

2) O que posso fazer para reduzir as dores da artrite sem ter que tomar remédios?

Resposta: Os remédios são muito importantes para controlar a dor. Além de analgésicos comuns e antiinflamatórios , o tratamento da artrite é baseado em prática de exercicios fisicos diários associada a uma dieta rica em frutas, verduras e fibras. Há ainda algumas alternativas como as que estão aqui (mostrar a bancada) -- o uso da argila medicinal, suplementos nutricionais e compressas de água fria ou quente

Artrose

1) Fui diagnosticada (ou um parente foi diagnosticado...) com artrose e gostaria de saber se posso continuar a praticar exercícios físicos. Já ouvi dizer que atividade física muito intensa pode piorar a dor. É verdade?

Resposta:  os exercícios são sempre indicados, pois estimulam as articulações a recompor cartilagens, ligamentos e fortalecer músculos que protegem essas estruturas. É considerado o melhor tratamento para tratar lesões em regiões que são estimuladas pela atividade física (joelhos, quadris, ombros etc.). Mas atenção: exercícios de alta intensidade, em excesso ou exercícios de “fim de semana” ou atividades feitas de maneira errada levam a uma sobrecarga das articulações que podem propiciar a artrose. Uma lesão causada pelo esporte (torção no joelho, por exemplo), pode desestabilizar a articulação e levar a uma artrose no futuro.

2) Estou bem acima do meu peso. Isso aumenta o meu risco de ter artrose?

Resposta: Aumenta, sim. O sobrepeso e a obesidade são causa direta de doenças das articulações, não só artrose, mas artrite também, principalmente nos joelhos, quadril e coluna. A gordura em excesso no organismo agride e destrói a cartilagem das juntas. Exatamente por isso o paciente obeso tem maior tendência a desenvolver esse tipo de problema.

3) Uso salto alto todos os dias por causa do meu trabalho. Isso pode causar artrose? O que o senhor recomenda no meu caso?

Resposta: Um estudo americano recente mostrou que o uso de sapatos de salto alto coloca muita pressão sobre o joelho, aumentando o risco de degeneração articular e artrose. E o pior: quanto maior o salto, maior é o risco de desenvolvimento de artrose. A pesquisa apontou que as mulheres que usam salto sofrem uma maior compressão no interior do joelho. Caminhar com salto alto altera a postura das mulheres, causando a inclinação do tornozelo para dentro e desestabilizando as articulações. Recomendo a você que saia de casa com um sapato de salto baixo e só use o salto alto quando chegar ao trabalho. Faça o mesmo na volta pra casa.

Termos de uso

 

"As informações  encontradas  no site estão de acordo com padrões vigentes à época da publicação. Mas as constantes mudanças na medicina, resultantes das pesquisas clínicas, as diferentes opiniões entre especialistas,  e os aspectos peculiares de situações individuais, implicam na necessidade, por parte do leitor, de exercer seu melhor julgamento ao tomar decisões. Em particular, o interlocutor é instado (estimulado) a discutir a informação obtida neste site com um profissional da saúde, sendo que este site de informação não pode e nem deve substituir uma consulta médica."